Faltam 30 médicos de família para cerca de 50 mil utentes no Médio Tejo

Utentes do Médio Tejo reivindicam mais e melhores cuidados de saúde

0 503

A Comissão de Utentes da Saúde do Médio Tejo (CUSMT) reivindicou ontem “mais e melhores cuidados de saúde primários”, a “valorização da maternidade” e o “anúncio da calendarização das obras na urgência” do hospital de Abrantes.

O porta-voz da CUSMT, Manuel José Soares, em conferência de imprensa, reafirmou a necessidade da valorização da maternidade e do serviço de Obstetrícia no hospital de Abrantes, que integra Centro Hospitalar do Médio Tejo (CHMT). Defendeu também ser a “hora de o Conselho de Administração do CHMT e da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo apresentarem publicamente um calendário exequível para as obras na Urgência Médico-Cirúrgica” de Abrantes.

Segundo lembrou Manuel Soares, depois de muitos anúncios e apresentações, em 2019 o CHMT tinha investimentos programados de cerca de 6,5 milhões de euros”, com a obra de ampliação da Urgência Médico-Cirúrgica orçada em cerca de 1,5 milhões de euros.

275726176 155681880160698 5115752969537056316 n 640x499 1Na conferência de imprensa, a comissão de utentes abordou ainda a questão da maternidade do hospital de Abrantes, que tem hoje “intermitências no seu funcionamento”.

“Há quem volte a encarar a possibilidade do encerramento de algumas [maternidades], [nós] voltamos a declarar a necessidade da valorização da maternidade, assegurando o seu funcionamento 24 horas dia/sete dias por semana”, defendeu Manuel Soares.

Relativamente aos cuidados primários de saúde, Manuel Soares salientou que o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Médio Tejo regista um défice de 30 médicos de família para cerca de 50 mil utentes, num universo de 225 mil cidadãos inscritos neste ACES.

“Não confundimos cuidados de saúde primários com cuidados médicos e, por isso, dizemos que faltam recursos humanos [não só médicos] e meios para reforçar as ações de saúde preventivas e de cuidados de proximidade”, afirmou, defendendo a criação de “mais Unidades de Cuidados à Comunidade” (UCC), além de melhorias na organização.

Ainda de acordo com Manuel Soares, “para o último concurso nacional, foi pedida a abertura de 22 vagas [para médicos de família], foram atribuídas 12 e só foram preenchidas cinco” vagas.

O porta-voz da CUSMT adiantou ainda à Lusa que a comissão irá “enviar um documento à Assembleia da República para que, em sede do Orçamento do Estado para 2023, sejam adotadas medidas de discriminação positiva nas dotações de mais recursos financeiros, na agilização dos processos administrativos para a contratação de trabalhadores e organização e articulação entre todas as áreas do Serviço Nacional de Saúde”.

Fonte: Lusa

Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.