A história do Clube Náutico do Zêzere contado na primeira pessoa

«Saudades do Clube Náutico do Zêzere»

0 990
Widget dentro do artigo  
 
   
Advertisements
Advertisements

Vinte anos se passaram desde que me despedi com relutância do feliz bando de amigos que me ajudaram a fundar o
famoso Clube Náutico do Zêzere (CNZ) em 1990. No entanto, alguns dos momentos estão tão claros na minha memória como se tivessem acontecido ontem e eu gostaria de compartilhá-los com você.

CNZ(1)

No final da década de 1980, quando já estava a meio da vida, decidi mudar completamente de direção, trocando uma vida monótona de negócios como administrador de propriedades em Londres por uma vida ao ar livre em Portugal.

A minha ideia era criar centros de Férias de Aventura, que eram então um novo conceito de turismo, onde os jovens podiam praticar uma série de atividades culturais e desportivas organizadas tanto em terra como na água.

Escolhi a Albufeira do Castelo de Bode por ser uma localização central ideal para o primeiro desses centros, e comecei pelo sul negociando com a família Soeiro a compra da Estalagem na Ilha do Lombo, mas estes naufragaram quando se tornou evidente que nem o edifício nem a terra possuía as licenças essenciais.

Assim, fui em frente para norte comprando um lagar em ruínas com um hectare de terreno no Trízio e um açude recém-construído com uma pequena albufeira situada a cerca de doze km, a nascente da Ribeira da Isna.

O lagar foi rapidamente convertido para se tornar o primeiro centro de desportos aquáticos interiores em Portugal, mas os meus planos para a construção de uma praia fluvial e estalagem no “Espelho de Água” na Isna foram arquivados devido à falência do empreiteiro civil e alegações de corrupção e desvio de dinheiro público.

CNZ Marina

A CNZ abriu na Primavera de 1991 e de imediato iniciei um programa de formação para os jovens quadros que incluía Joaquim Mendes e Valdemar Santos do Alqueidão de Olalhas e os irmãos Paulo e Vítor Carvalho de Tomar, todos  ficaram comigo durante aqueles doze anos. Foi dada instrução profissional pelos fabricantes no uso correto dos veleiros Topper, botes Wayfarer e canoas Nelo. Para desportos náuticos a motor, foram utilizados barcos Mastercraft e Tigé e campeões como Neil Staples, os irmãos Heaney e Richard Mainwaring vieram do exterior para ministrar cursos de esqui aquático, wakeboard e barefoot.

Por questões de segurança, seguros e privacidade, o Clube funcionava de forma privada para sócios e oferecia serviços como amarrações na marina para as suas embarcações e a utilização de três pistas de esqui e rampas, todas licenciadas pelo Ministério do Ambiente.

Em terra existiam as instalações de um parque infantil vigiado para as crianças, uma rampa de skate e um campo polivalente para ténis e fun-ball mais zonas de areal para proporcionar uma praia fluvial. Dentro da club–house funcionava um confortável bar–restaurante que se estendia sob um alpendre e deliciosas refeições e petiscos eram confecionados na hora pela incansável D. Fátima.

Os instrutores do Clube deram aulas gratuitas de vela e canoagem para crianças das escolas locais, e o CNZ logo se tornou palco de eventos públicos como os campeonatos nacionais de esqui aquático, wakeboard, jet-ski e triatlo e foi usado como local privilegiado para marcas como O’Brien realizarem as suas conferências anuais e demonstrações para revendedores.

roberto 1
Naturalmente, a participação de membros da CNZ em tais eventos foi incentivada, especialmente para o desporto de wakeboard, que cresceu em popularidade durante a década de 1990, de modo que uma associação nacional foi formada com a sua sede no CNZ, e eu como o seu primeiro presidente, idoso, mas ativo!

A elevada qualificação profissional dos quadros foi reforçada pela presença regular em Expos e academias localizadas nos EUA e na Europa e permitiu–lhes participar (com alguns membros) em competições internacionais. Isso culminou em 1999, quando dois atletas foram inscritos para representar Portugal no Campeonato Mundial de Wakeboard realizado no Rio de Janeiro com resultados honrosos alcançados por Chico Lopes (11º) e Vítor Carvalho (23º).

O CNZ foi criado para atender aos meus caprichos pessoais e os seus rendimentos sempre foram revertidos para melhorar as instalações oferecidas aos membros. Embora nunca tenha produzido um ganho monetário, alcançou um grande lucro de satisfação pessoal!

O empreendimento continuou até 2002, quando a minha aposentação foi forçada após uma cirurgia e o centro foi vendido a um novo proprietário, que já tinha investido na construção de um pequeno conjunto habitacional no Rio Fundeiro.

Compreensivelmente, as mudanças foram feitas e a propriedade tornou-se num restaurante de boa reputação que estava aberto ao público (e seus barcos) para desfrutarem da localização tranquila da praia fluvial.

Roberto Cavaleiro 

Artigo publicado na edição de 27 de abril do Jornal O Templário

Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.