Fátima: Novos itinerários de peregrinação atraem portugueses e estrangeiros

Os ‘Caminhos de Fátima’, iniciativa do Centro Nacional de Cultura, estão a atrair portugueses e estrangeiros que querem peregrinar a pé, visando unir fé, história e património.

0 45

logo caminhos de fatima 1 2

“Nós procuramos concebê-los como verdadeiros itinerários culturais: têm um conceito, têm um tema; depois têm jornadas – que são os quilómetros aconselháveis, para percorrer um dia, de acordo com as condições de altitude, de dificuldade, etc. -, com um tema. Isso leva a conhecer a própria realidade do país, não são apenas orientações práticas”, refere Maria Calado, presidente da Direção do Centro Nacional de Cultura (CNC).

A proposta é que os peregrinos caminhem “mo meio da natureza, das pequenas aldeias, conhecendo o país, a realidade, tendo de facto um ambiente para peregrinar, que é uma relação consigo próprio, com o mundo que o rodeia”, precisa Maria Calado.

Os roteiros apresentam o Caminho do Tejo, que vai de Lisboa para Fátima; Caminho da Nazaré, que une dois grandes santuários marianos, Nazaré e Fátima; e o Caminho do Norte, que percorre todo o território desde o Rio Minho, desde Valença até Fátima.

Além destas edições, o site ‘Caminhos de Fátima’ apresenta informação desenvolvida, com mapas georeferenciados; pode ser consultado nos três idiomas dos roteiros – português, inglês e espanhol –, em francês, alemão e italiano.

A presidente do CNC sublinha que “muitos estrangeiros” contactam a instituição, em busca de informações.

“Estrangeiros, peregrinos, que querem fazer o caminho a pé. Isso é muito interessante: querem fazê-lo todo ou uma parte”, relata.

Caminhos de Fátima Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima

O percurso a norte do país cruza-se, em vários pontos, com o do Caminho de Santiago, afastando os peregrinos das “grandes vias de circulação”, com maior segurança.

A iniciativa do Centro Nacional de Cultura desenvolvida no contexto do Programa Valorizar (Linha de Apoio à Valorização Turística do Interior), apoiado pelo Turismo de Portugal.

“Este projeto traduz-se não apenas nestes pequenos livros, que nos acompanham em viagem, mas também em sites, incluindo o ‘Caminhos da Fé’, do Turismo de Portugal, com uma dimensão mais abrangente”, assinala Maria Calado.

O CNC, com 1300 sócios, vai a caminho dos 75 anos de existência, preparando-se para celebrações, em 2020, que vão evocar figuras de referência da associação, como Gonçalo Ribeiro Telles e as mulheres do Centro Nacional de Cultura – Sarah Afonso, Sophia de Mello Breyner, Helena Cidade Moura, Helena Vaz da Silva.

“Queremos continuar a batalhar pela cultura, porque a cultura e a arte são redentoras”, sustenta a presidente do CNC.

A associação tem vários projetos online, como  o E-cultura, o E-Chiado, e o blogue (Raiz e Utopia), além de desenvolver a área da Cultura Solidária, que quer “trabalhar com pessoas que têm alguma necessidade especial”, como pessoas surdas ou cegas.

“Nós aprendemos também a ver de outro modo, é muito interessante ir ver um monumento e estar a perceber qual é o tipo de pedra pelo toque; se a madeira é exótica, se veio do Brasil no século XVIII, ou se é madeira de cerejeira, nogueira, aqui do continente, porque tem uma temperatura diferente. Isso é extraordinário. Nós não temos só o olhar”, assinala Maria Calado.

Dois dos atuais sócios do CNC são cardeais portugueses, D. Manuel Clemente e D. José Tolentino Mendonça, facto que a presidente da direção considera “uma honra”.

“É uma honra termos duas figuras de grande referência e que, de facto, têm uma importância na Igreja e na liderança mundial, pelo exemplo que representam, pela competência”, declara.

Fonte: Agência ECCLESIA

Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento
Pode Ser do seu interesse

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.