Câmara de Torres Novas toma posição sobre as buscas da PJ ao Departamento de Urbanismo

Desta ação, resultou a detenção de dois trabalhadores, uma arquiteta e um fiscal de obras – indiciados pelos crimes de corrupção.

0 577
Widget dentro do artigo  
 
   
Advertisements
Advertisements

A Câmara de Torres Novas,  através do seu presidente, Pedro Ferreira, enviou uma nota à comunicação social onde esclarece que foi dada toda a colaboração à Polícia Judiciária no âmbito da «Operação Constrói» que decorreu na passada terça-feira  à Divisão de Urbanismo do Município de Torres Novas.

Da referida ação, resultou a detenção de dois trabalhadores, uma arquiteta e um fiscal de obras – indiciados pelos crimes de corrupção passiva e recebimento indevido de vantagem, relacionados com processos urbanísticos.

Durante a operação, o Município colaborou de forma permanente na disponibilização de todos os dados solicitados pela Polícia Judiciária.

O Município de Torres Novas garante pautar-se pelos valores da transparência, da equidade e da procura da prestação do melhor serviço público possível aos seus munícipes, não se revendo, de forma alguma, nos comportamentos e nas ações alegadamente praticados pelos visados.

Nesta ocasião, o Município reitera o seu compromisso com a exigência e rigor colocados no trabalho diário efetuado nesta instituição, realçando que o Plano de Prevenção de Riscos de Gestão incluindo os de Corrupção e Infrações Conexas existente é aferido com frequência, pelo que as irregularidades eventualmente detetadas foram já merecedoras de reflexão política e técnica, de forma a evitar situações similares.

A  operação de investigação foi lavada a cabo pela Polícia Judiciária, mandatada pelo Departamento de Investigação e Ação Penal da 2.ª Secção de Tomar.

Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.