Mesmo em vésperas de Natal, ASAE não perdoa

“Quando abri o meu estabelecimento fui pedir informação à ASAE para ter tudo correto e mandaram-me ler um decreto-lei."

0 768
Widget dentro do artigo  
 
   
Advertisements
Advertisements

A associação de comerciantes de Santarém lamentou o momento e a forma de uma acção inspetiva realizada, no dia 22 de dezembro, nas lojas do centro histórico da cidade pela ASAE, “a dois dias do Natal e com clientes a serem atendidos”, avança.

O presidente da associação, David Dias, disse à Lusa que os agentes da Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) entraram nas lojas do centro histórico mostrando os crachás e começando a fiscalizar todo o material e documentação do estabelecimento quando os comerciantes estavam a atender clientes.

“Têm todo o ano para fazer fiscalizações, ou, mesmo num dia como o de hoje, podem escolher horas diferentes ou esperar que os clientes saiam”, declarou, salientando que “os comerciantes não são criminosos” e que, “sempre que alertados, alteram o que tem de ser alterado”.

David Dias apontou a “excessiva burocracia” e as dificuldades que os pequenos comerciantes têm para se adaptar à sucessiva legislação, lamentando que a ASAE nunca tenha respondido aos pedidos para participar em sessões de formação e sensibilização, optando por uma acção preventiva antes de avançar para a multa.

“Concordamos com a fiscalização, mas não desta forma. Os pequenos comerciantes são já penalizados com tantas coisas”, declarou, salientando a importância da época natalícia para a sobrevivência destes pequenos negócios.

A proprietária de uma das lojas disse à Lusa que os inspetores entraram no estabelecimento, de pequenas dimensões, quando estava a atender clientes, começando a tirar fotografias e a questionar, nomeadamente, a ausência de datas nas promoções, a falta de um preçário afixado e a “desarrumação”, o que gerou a “indignação” das pessoas que estava a atender.

“Quando abri o meu estabelecimento fui pedir informação à ASAE para ter tudo correto e mandaram-me ler um decreto-lei. Agora dão-me esta prenda de Natal, de passar estes dias em sofrimento, à espera de uma multa que pode ditar o encerramento da minha loja”, disse.

Fonte: Lusa

Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.