Bibliotecando em Tomar a 5 e 6 de maio

Entre a margem e o caminho, a homenagem ao escritor Mário Cláudio.

0 693
Widget dentro do artigo  
 
   
Advertisements
Advertisements

Cartaz Programa Bibliotecando 1Decorre nos dias 5 e 6 de maio, na Biblioteca Municipal António Cartaxo da Fonseca, o Bibliotecando em Tomar, este ano dedicada ao tema “Margem e caminho: leituras da fronteira”, e que reunirá, como habitualmente, um conjunto de oradores representativo dos melhores especialistas nacionais. Um deles será o escritor Mário Cláudio que, na sexta-feira, receberá o Prémio Bibliotecando 2023.

Por esse motivo, o autor de “Guilhermina” chegará mais cedo, tendo na tarde de 4 de maio um encontro com os leitores, uma das iniciativas paralelas do evento, tal como uma feira de livros dos autores presentes, que decorrerá na Biblioteca entre quinta e sábado.

Quanto à programação oficial, começará na sexta-feira, pelas 9h30, com a sessão de abertura a que se segue “Uma viagem pela obra de Mário Cláudio”, coordenada por Guilherme d’ Oliveira Martins (presidente da Comissão de Honra do Bibliotecando) e com intervenções de Carlos Ascenso André, Isabel Pires de Lima, Gabriel Magalhães e José Carlos Seabra Pereira.

Pelo meio-dia, será feita a apresentação e entrega do Prémio por parte do presidente do Instituto Politécnico de Tomar, João Coroado, seguida de uma intervenção do galardoado, Mário Cláudio.

mario claudio
Mário Cláudio

À tarde, dois painéis, com títulos recortados de obras do escritor. O primeiro “Apetece-me contar a minha peregrinação” (in Gémeos), com coordenação de Luís Ricardo Duarte e os oradores Marta Pais de Oliveira, Afonso Reis Cabral e João de Melo. O segundo, “Confirmei o que já era do meu conhecimento, que ninguém percorre apenas o espaço da terra, mas também o tempo da imaginação” (in Embora Eu Seja um Velho Errante), coordenado por Cristina Ovídio, com Carlos Fiolhais, Dulce Maria Cardoso e Rui Vieira Nery.

No sábado, a partir das 10 horas, o painel “espírito perscrutador dos ritmos ocultos” (in O Anel de Basalto), dirigido mais uma vez por Luís Ricardo Duarte e que junta Maria João Reynaud, José Carlos Vasconcelos e Susana Piedade; seguindo-se “reatar o fio destas lembranças” (in Embora Eu Seja um Velho Errante), coordenado por Hugo Cristóvão, com Ana João dos Reis e Graça Capinha.

Após o habitual almoço no Congresso da Sopa, que nesse dia se realiza em Tomar, a parte da tarde trará mais dois painéis: “A ciência de existir é um reflexo de espelho” (in Um Verão Assim), com Daniel Sampaio, Roberto Roncón e Francisco Sobral Rosário; e “o desenho de um mapa de encantamentos” (in Embora Eu Seja um Velho Errante), com coordenação de Rui Serrano e as participações de Miguel Poiares Maduro, Gonçalo Byrne, Rita Gaspar Vieira e Álvaro Domingues.

Por fim, às 18h30, Nuno Sousa Vieira apresenta “O pintor percorria a vida sem medo” – Tríptico da Salvação, uma conferência e visita guiada à exposição “Pelo que não se vê”, patente no Centro de Arte e Imagem – Galeria do Instituto Politécnico de Tomar.

De referir ainda que o encontro de Mário Cláudio com os leitores, no dia 4, às 15 horas, contará com a apresentação de um trecho do espetáculo “Mulheres Anónimas” e com a leitura encenada de um trecho do conto de Mário Cláudio “Dom Pedro I e Inês de Castro“, ambos  pela Companhia de Teatro Templários.

Ainda na programação paralela, José Santos e Rui Sérgio protagonizam o espetáculo “Poesia Cantada”, pelas 21 horas de 5 de maio, no Auditório Principal do Instituto Politécnico de Tomar.

Programa e mais informações em: http://www.bibliotecandoemtomar.ipt.pt/

 

Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.