Imagem de Santo Estevão, em Outeiro Grande, tem as costas esburacadas. Saiba porquê

0 590
Widget dentro do artigo  
 
   
Advertisements
Advertisements
Dia 26 de dezembro, é o dia de Santo Estevão, segundo o calendário hagiológico (de santos) ou efemérides dos santos, celebrado pela Igreja Católica.
Santo Estevão é o patrono da Igreja do Outeiro Grande, aldeia do concelho de Torres Novas, e segundo publicou João Filipe na sua página do facebook, “O povo do Outeiro Grande sempre recorreu ao padroeiro, Santo Estêvão procurando ajuda para as mais diversas situações. Mas para além das orações, era recorrente em tempos antigos, os fiéis rasparem as costas do padroeiro, para com o pó da pedra que extraíam fazerem chá para alívio e cura das suas doenças. Para comprovar os factos, basta ver as costas da antiga imagem de pedra de Santo Estêvão. As costas do santo estão mesmo esburacadas”.
414703640 6624494814322693 2479373133687832782 n
Foto: João Filipe
Quem foi Santo Estevão?
Santo Estêvão foi o primeiro mártir do Cristianismo e a sua festa é celebrada a 26 de dezembro.
Segundo os Atos dos Apóstolos, Estêvão foi um dos primeiros diáconos da igreja nascente, logo após a morte de Jesus, pregando os ensinamentos de Cristo e convertendo tanto judeus como gentios. Estêvão pertencia a um grupo de cristãos que pregavam uma mensagem mais radical, um grupo que ficou conhecido como os helenistas, já que os seus membros tinham nomes gregos e eram educados na cultura grega e que se separou do grupo dos doze apóstolos. Também eram conhecidos como o grupo dos 7. Teve a missão de trabalhar com os pobres. São Estêvão focou a sua atenção nos convertidos helenistas e deu uma prova de grande pregador, com o dom de descrever o poder da graça e o poder de fazer milagres.
Foi detido pelas autoridades judaicas e levado diante do Sinédrio (a suprema assembleia de Jerusalém). Defendeu-se com paixão e eloquência mas não fez nada para suavizar a ira dos seus inimigos.
Santo Estêvão foi acusado pelos judeus da diáspora de subverter as leis e os costumes, de criticar as instituições e as estruturas consideradas sagradas – o Templo. Num longo discurso, Santo Estêvão resumiu a história de Israel, mostrando aos adversários em que consistiu o projeto de Deus: “Deus quer um povo em contínua marcha histórica em direção à vida plena, e não a um estado preso por um aparelho que explora, oprime e paralisa o povo. Por outro lado, Deus não está localizado e fechado num templo, nem é manipulado como ídolo para legitimar uma ordem social injusta. Deus está presente na vida e na história, caminhando com o povo”.
Perante tais palavras, foi condenado por blasfémia, sendo sentenciado a ser apedrejado. Foi arrastado para fora da cidade e entre os presentes na execução, estava o jovem Saulo, perseguidor de cristãos. Os executores colocaram as mantas de Estêvão sob a guarda de Saulo, o futuro São Paulo.
As últimas palavras de São Estêvão foram:” Senhor, não lhes atribuas este pecado.” (Act 7, 60). O seu martírio assinala a rutura entre o cristianismo e o judaísmo.
O seu nome vem do grego Στέφανος (Stephanós), o qual se traduz para aramaico como Kelil, significando coroa – e Santo Estêvão é, de resto, representado com a coroa de martírio da cristandade, recordando assim o facto de se tratar do primeiro cristão a morrer pela sua fé – o protomártir.
Durante os primeiros séculos do cristianismo, o túmulo de Estêvão achou-se perdido, até que em 415 (talvez pela crescente pressão dos peregrinos que se deslocavam à Terra Santa), um certo padre, de nome Luciano, terá dito ter tido uma revelação onírica de onde se encontrava a tomba do mártir, algures na povoação de Caphar Gamala, a alguns quilómetros a Norte de Jerusalém. Foi construída uma igreja em sua honra perto de Damasco, pela imperatriz Eudoxia (455-460).
Gregório de Tours afirmou mais tarde que foi por intercessão de Santo Estêvão, que um oratório a ele dedicado, na cidade de Metz, onde se guardavam relíquias do santo, foi o único local da cidade que escapou ao incêndio que os Hunos lhe deitaram, no dia de Páscoa do ano 451.
É o padroeiro dos diáconos, pedreiros, fabricantes de caixões e dos coletores de moedas (uma espécie de coletor de impostos que colecionava um décimo da produção colhida, que mais tarde passou a se chamar dízimo).
Na Europa é o padroeiro dos cavalos.
Na Diocese de Owensboro Kentucky, USA é invocado contra as dores de cabeça.
Na arte litúrgica da igreja ele é representado com um diácono carregando pedras e com a palma do martírio.
Santo Estêvão é o padroeiro da capela do Outeiro Grande, na freguesia de Assentiz, Torres Novas.
João Filipe
Todas as quintas-feiras, receba uma seleção das nossas notícias no seu e-mail. Inscreva-se na nossa newsletter, é gratuita!
Pode cancelar a sua subscrição a qualquer momento

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.